13/03/2009

A galinha requer compaixão

Fui a um restaurante que ostentava no cardápio, com gravidade, a advertência: “usamos frangos de criação natural, sem antibióticos nem promotores de crescimento”.
Pelo menos desde Darwin, e até a criação dos OGMs (organismos geneticamente modificados), tudo que é orgânico é de “criação natural”, embora alguns persistam na crença da criação sobrenatural.
Que não consumam antibiótico nem promotores de crescimento parece bom. Mas, no mesmo cardápio, havia seis pratos com salmão. Ora, o salmão de cativeiro, proveniente do Chile, essa espécie de frango d´água, anda atolado no consumo de antibióticos, conforme várias reportagens do New York Times [ver outros posts aqui]. Então, por que essa perseguição com a galinha? Por que a absolvição do salmão? Não seria o caso de ostentar: "usamos apenas salmões selvagens?"
Essa injustiça com as criaturas da natureza precisa ser corrigida urgentemente. E estou investigando o que eles comem, pois sei que comem vísceras, sangue, penas – coisas que não deviam comer, segundo a precaução recomendável depois do episódio da “vaca louca”.
Os donos de restaurantes e os chefões e chefinhos deveriam ler o que Clarice Lispector escreveu sobre a galinha, ao longo de toda a sua obra. “Que é que havia nas suas vísceras que fazia dela um ser? A galinha é um ser. É verdade que não se poderia contar com ela para nada”; ou, ainda, “o ovo é a alma da galinha” e assim por diante.
Para quem gosta do tema, uma seleção de textos de Clarice: “A vida íntima de Laura”; “Uma galinha”; “O ovo e a galinha”; “Atualidade do ovo e da galinha”; “Atualidade do ovo e da galinha (II)”; “Atualidade do ovo e da galinha (III, final)”.

4 comentários:

paisagensdacritica disse...

Carlos
Lembro-me de um texto seu, publicado na revista EntreLivros, sobre Clarice e as galinhas.
Seria possível reproduzí-lo no blog?
Abraços,
Júlio

Joyce Galvão disse...

eu me esbaldo nesse blog! que delicia ler seus textos e que felicidade agora um acesso quase diário com suas idéias! Viva ao blog, realmente!

Clarice é ótima... vi uma frase dela jogada no meio de uma parede que dizia: Em cima da mesa havia um ovo... curiosidades, mas que podem gerar tantasssss idéias!

Adoro Clarice, adoro seus textos!

abraços

sam disse...

Olá Carlos, como vai? Sou Sammya Araújo, repórter do Correio Popular de Campinas. Gostaria de entrevistá-lo sobre a "longevidade" de alguns pratos nos cardápios dos restaurantes (sob o aspecto cultural e sociológico), para um especial sobre gastronomia que publicaremos na revista Metrópole. Por gentileza, entre em contato! Enviei um e-mail para endereço que encontrei no site História da Alimentação, mas não sei se você o acessa ainda... O meu é sammya@rac.com.br. Agradeço o retorno!

Jussara Voss disse...

Olá Carlos, parabéns pelo blog. Delícia!!!!
Quando vi na Tv um documentário sobre a criação de salmão nunca mais consegui comer...
Espero o texto da Clarice que o leitor pediu.
Vida longa ao blog. Sucesso!
Ju Voss

Postar um comentário