10/02/2010

Aprender a cozinhar: por onde começar

Muitas vezes ouvi de pessoas que não sabem cozinhar a seguinte questão: por onde devo começar? É uma questão difícil, tão difícil quanto responder como aprender uma língua. Você certamente pode comprar um dicionário, uma gramática, mas terá mais dificuldades do que praticando mais ou menos a olho, numa rua qualquer de um país que fala essa língua que você quer aprender, lendo simultaneamente mesmo o que não entende. Assim como nadar se aprende dentro d´água.

A primeira questão é por que ficamos “analfabetos” em cozinha, visto que o aprendizado de nossos avós e nossos pais foi bem mais fácil e misturado no normal da vida? Certamente a resposta tem a ver com o desenvolvimento da industria alimentícia, que nos coloca em casa coisas cada vez mais “prontas”; com o fato de, mais e mais, comermos fora de casa; e com o fato de a origem das coisas (o agro) ter ficado tão mais longe.

Então, “aprender a cozinhar” é uma autêntica regressão. Uma escolha que se faz por um aprendizado sobre algo que saiu da ordem do dia e que, muito provavelmente, executaremos com o sentido de exceção. Cozinharemos não para o cotidiano, mas para a celebração. E as receitas de celebração, por isso, exercem tanta atração: queremos repeti-las para chegar lá.

O envolvimento pessoal mais amplo, até emocional, facilita o aprendizado. Mas precisamos um ponto de partida que seja mais simples do que uma receita complexa. Por exemplo, conhecendo os ingredientes. Temos a feira. Quem não sabe o que é uma boa maçã não fará jamais uma boa torta de maçã. E a boa maçã só se conhece sabendo a época em que é melhor e comparando as maçãs disponíveis.

Fala-se em “cozinhar com amor”, cozinhar para o outro dando o melhor de si. Mas, assim como no amor, muita gente dispensa o longo ritual da sedução e já quer ir para os “finalmente”. Direto para as receitas, por exemplo. Isso não dá certo e frustra o aprendiz.

As receitas indicam um conjunto de procedimentos imprecisos, inclusive porque genéricos e abstratos. Por isso gosto das considerações de Bocuse sobre a vantagem insuperável de começar a cozinhar indo ao mercado (feira), para escolher bons ingredientes. As receitas, para ele, são secundárias.

Os cursos de culinária deveriam começar pela feira. A escolha de um bom peixe, por exemplo. O que é um bom peixe? Faz quantos dias foi pescado? O passo seguinte seria cozinhá-lo simplesmente. Só com sal, por exemplo. Mas, claro, isso parece não ter charme nem expressar a urgência dos aprendizes.

No caminho que proponho o aprendiz experimentaria para saber se ele fica melhor num forno a alta ou baixa temperatura; com 10, 20 ou 30 minutos de assado. Também poderia experimentar vários tempos de cocção sob água. O mesmo pode ser feito com a carne. Um bife na grelha fica melhor em alta temperatura ou em fogo mais brando? Quanto tempo leva para ficar mal passado, ao ponto? E aprenderia a extrair o melhor dos legumes, das frutas, e assim por diante.

O resultado seria dominar a ação do tempo/temperatura sobre os mais diversos ingredientes, aprendendo a entender o que dizem as receitas, inclusive. Sem preocupação com os temperos, molhos e todas as demais coisas adjetivas, cujo aprendizado seria numa outra etapa.

Isso é uma subversão nos atuais métodos de ensino. Seja dos cursos rápidos de culinária, seja das faculdades – que preferem introduzir os alunos em coleções de receitas de várias regiões, em molhos e em técnicas sofisticadas, em cozinhas autorais, sem formá-los no estudo profundo dos ingredientes e nos princípios básicos de suas transformações.

4 comentários:

Angelica disse...

Excelente post!!!

Graças a Deus, eu aprendi a cozinhar em casa, com minha mãe. Isso inclui tb as compras: ela sempre me levou às feiras e mercados e eu, como sempre fui muito observadora, rapidinho aprendi a comprar de td! Nem sei qdo comecei a cozinhar, pois cozinho desde sempre, mas acho q foi lá por volta dos 10 anos.

Gde bjo! Angelica Brasil

Esse semana pedi à minha empregada q lavasse as verduras e etc, pra q eu pudesse fazer o almoço assim q chegasse em casa. Esqueci de lhe pedir para lavar o pepino e a abobrinha. Assim q entrei em casa disse: "Lave um pepino, por
favor!". Ela perguntou à minha mãe: "O q é pepino?", mas eu nem ouvi. Em seguida eu lhe disse: "Ih! Eu esqueci de lhe pedir pra lavar a abobrinha!". O q ela fez? Apontou para o pepino e disse: "Alá!". "Não, Rosa! Aquilo é um pepino!", eu disse. Ela então, sorrindo, achando muito graça disse: "Abobrinha?! Q isso?!".

Cara, eu choquei com isso! A pessoa não sabe o q é um pepino e uma abobrinhaaa!!!! Ela msm me disse q só come arroz, feijão e carne. Seu filho de 16 anos está com colesterol alto. Eu pergunto: pq será?!

Leo Beraldo disse...

Fugindo um pouco do assunto, mas como Angelica citou num comentário acima, vale a pena assistir a um documentário lançado no ano passado, chamado Criança: A Alma do Negócio. Nele, existe uma cena, onde as crianças são questionadas sobre o nome de alguns vegetais, a maioria delas não tem a mínima idéia do que são, na cena seguinte, logotipos de empresas são apresentados, e todas sabem todos os nomes.

Achei um pouco triste essa realidade, mas expressa bem esse distanciamento entre nós e a origem das coisas como você bem disse neste texto, ótimo por sinal.

Usuale disse...

Oi! Tem um site muito bacana que possui mais de 50.000 acessos ao dia e fazem parceria com blogs/sites, vale a pena! Eu já fiz o meu!Só lembrando que como se trata de uma parceria você tem que colocar o selo deles também no seu blog/site, que você pode pegá lo no mesmo link abaixo!Senão você não receberá acessos!

Aí vai o link: http://www.guiademulher.com.br/enviar_blog.php

Um abraço!

com meus botoes disse...

Cozinhar é algo que vem antes de tudo da alma da pessoa, ela já nasce com a aptidão.Se vai desenvolve-la ou não é outra história.
E quem for atender a esse chamado interno vai com certeza, até de forma instintiva , começar seguindo o caminho que vc tão lucidamente explicita no post acima.
Uma criança que tenha a cozinha na veia, vai brincar de feira, depois vai mesmo à feira, vai aprender a fazer comidinhas para bonecos ou seres da sua imaginação, vai se inteirando de tecnicas e ingredinetes de forma ludica até que a maturidadelhe dê consciencia do assunto e ele passe a ser abordado com seriedade.
Aconteceu comigo e com tantas outras pessoas que conheço.
E isso nenhum curso pode ensinar.

Postar um comentário