25/12/2014

O (en)xote gourmet


Foi um ano de trituração, de esfacelamento. Outrora lá no alto, inatingível. Hoje cá embaixo, pisoteada, chutada cada vez que tenta levantar a cabeça. Os  que a amavam, renegaram, atiraram pedras; os que não a conheciam, se aproximaram para xingar e expressar supremo desprezo. 




Pessoas que economizavam o vil metal para conhece-la, hoje se arrependem em silêncio, sentem-se ludibriadas. Todo mundo vira a cara para ela, para desespero dos publicitários que a haviam descoberto muito tarde na vida e em idade provecta (mas, estejam certos, nós sabemos o que vocês fizeram no verão passado!). 2014 foi o ano no qual a palavra gourmet foi enxotada do léxico culinário.

Raio gourmetizador
: onde há humor há esperança...

5 comentários:

Breno Raigorodsky disse...

Nada restou gourmet?

carlos alberto doria disse...

Breno, o que não e nominado não existe, não é?

Rildo Polycarpo Oliveira disse...

No futuro, as revisitações do discurso histórico a esse momento, a este tempo que ainda é hoje, hão de encontrar em meio a alfarrábios sem raiva, a pérola desse registro, mais que verbete, verbalização do tempo andante, das coisas e seus valores na errância. Ligeira e certa, lembrando flecha, esse um só parágrafo, fragmento de inteireza, nos arremessa à visão de alguns acontecimentos: cozinheiros antes de redomas são vistos no 'espaço liso' quase das ruas; food trucks 'peneumativam' esse espaço, num fodente truque ao que enxotam em seu trânsito; a gastronomia social operou na trama e na urdidura gourmet algum esgarço; e as culturas alimentares acenam desde lugares à margem daquela redoma. Fazem-no com mãos de gente.
Desfaz-se o brillho suntuoso de uma igreja. A arrogância de alguns de seus sacerdotes é então atenuada, ao menos interpelada. Suas liturgias encontram cada vez menos jeitos de ser, porque já sensaboronas. "2014 foi o ano...". Adeus palavra empinada, por fim um quase nada, porque hóstia ainda ruminada por alguns. E já vais tarde! Até com um bocadinho de atraso.

Alessandro Camelo disse...

Parece uma necessidade. Privilegio de alguns. E quando faz o efeito contrário, vira xingamento. Mundo gourmet!

Anônimo disse...

o bom da ideia do raio gourmetizador é verificar se algo é mais caro pela qualidade real ou, mais frequente, por motivos alheios a isso como o "requinte" do local... casos já citados envolvem os tais sorvetes "artesanais" de base pré-pronta, os azeites trufados,etc

Postar um comentário