13/10/2017

Veja como a comida de pobre prende o pobre na pobreza


Por que alguém pode ser contra algo que “nutre”? Muitos me fazem essa pergunta, querendo dizer que minha oposição à “ração humana”- mesmo a abençoada que a prefeitura está lançando como alimento dos pobres - deve-se “apenas” a razões políticas.

Sim, as razões são políticas e humanitárias. Políticas no sentido de oposição ativa àquilo do que se discorda. Humanitárias por entender que os homens devem ser considerados iguais pelos demais. Mas há outras observações a fazer. 

Entendo, como a maioria das pessoas, que comida, alimento, é forma cultural. Por isso comemos coisas que outros povos não comem e vice-versa. Nesse sentido, é identitária também. Tem quem não gosta de coentro e quem não gosta de salsinha. Mas, pense um pouco.

Só hipoteticamente se come qualquer coisa. Certamente você não comeria um patê de barata passado na torrada. Ai intervém a cultura dizendo: não coma! No entanto, você come fragmentos de barata, de formigas, de aranhas, pêlo de rato etc, no seu molho de tomate industrializado. A legislação para molho, extrato e catchup permite “um fragmento de pêlo de roedor a cada 100 g, dez fragmentos de insetos a cada 100 g” e assim por diante, numa infinidade de produtos. Não, não irá lhe matar, mas certamente se você soubesse a cada garfada iria se encher de nojo - vomitar, desmaiar, sofrer calafrios, arrepios, etc. O nojo exige a identificação do que o provoca, pois não há nojo em abstrato. Ele precisa se materializar.


Muitas vezes, “disfarçar” o conteúdo de um alimento tem sido estratégia de saúde. Por exemplo, a inclusão de pulmão bovino em produtos de merenda escolar para aumentar o consumo de ferro e combater a desnutrição infantil. Ninguém sabe, mas ele está lá, fazendo “o bem”. Esse o discurso nutricionista. Mas ele, em geral, silencia sobre os agrotóxicos excessivos (pimentão, tomate, morango, etc) e outros agentes nocivos, presentes no “delicioso” salmão, de tal sorte que não se sabe qual o conceito de saúde que persegue, pois despreza os aspectos não-nutrientes e acha que um tomate é sempre um tomate…

A forma de ração faz tudo assumir a condição de um alimento abstrato. Nada ali é identificável a olho nu. Portanto, pode conter tudo e qualquer coisa. É fácil, por desconfiança, recusar algo assim. Mas é difícil “desejar” o que é informe, mesmo que "abençoado", pois uma refeição é diferente da eucaristia (ainda que alguns padres possam confundi-las) onde se afirma que está presente o corpo e o sangue de Cristo - alimentos do espirito e não do corpo.

As pessoas em situação de pobreza ou necessidade extrema comem qualquer coisa, é claro. Inclusive carne humana, como tantas vezes ocorreu na história. É o que se chama de desumanização, ou destituição da condição cultural humana, a que leva a fome. Tantos mendigos revirando latas de lixo para comer, o que desperta compaixão em muita gente. E comem quase de tudo. 

Partir dessa premissa só é possível porque a industria e o nutricionismo, aliados, desculturalizaram o comer; ou melhor, propõem uma nova cultura da comida que não precisa ser identificada pelo comedor.  Milhares de produtos chegam à prateleira do super-mercado sem que “tenham cara de comida”. São qualquer coisa que “alimenta” ou “mata a fome”. Em geral fazem mal à saúde. Mas, se fizessem “bem”, seriam a forma desejada de alimentação moderna? Há quem acredite que sim.

Prefiro pertencer ao grupo daqueles que acham que reumanizar o faminto é senta-lo à mesa, dar-lhe “comida com cara de comida”, trazendo-o para o normal alimentar da vida. Tanta gente que fala abstratamente que #comidaecultura também deveria saber disso e se manifestar a respeito.

 Então, por que oferecer ao pobre algo amorfo que denuncia continuamente sua condição de excluido da mesa humana? A prefeitura acha que essa situação pode ser contornada, fazendo-se bolos, sopas, etc. Por que não distribui ela mesma bolos e sopas? Tratar pobre com comida de pobre só faz aprofundar a sua condição de pobre.

Ao contrário, o que houve foi a suspensão do fornecimento de marmitex para os moradores de rua. Esta em curso, portanto, um projeto de desnaturação da comida. Arroz não será mais arroz; feijão não será mais feijão; bife, nem se fala. Ligar o pobre aos descartes da sociedade que o marginalizou é mante-lo ligado a este estado social sem lhe estender a mão. 

Desconheço a política eclesiástica, não compreendo o compromisso da igreja católica com esse projeto de deculturação do pobre, reduzindo-o a um corpo carente de nutrientes. Coisa mais gritante em contraste com tantas políticas de inclusão que ela já advogou. Bastaria só uma pergunta: estariam os membros da igreja (especialmente os que fizeram votos de pobreza) dispostos a se alimentar dessa ração? 

Me lembro de um produtor de embutidos na Serra Gaúcha que, para atestar a excelência de seus produtos, repetia um conselho inesquecível do pai: “meu filho, nunca venda nada do que você mesmo não comeria”. Pense nisso, gente boa.



7 comentários:

Janete Dutra disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tyrza Kippel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
paulo tarso da costa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
carlos alberto doria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...

Eu acredito que os pobres deveriam ter oportunidade de trabalho com dignidade, comprar o que quer que quisesse para comer e se nutrir

Postar um comentário