23/04/2009

Reflexão diante dos gadgets


Já deve ter caído em suas mãos algum número da Revista Caras onde três renomados cozinheiros promovem uma coleção de brindes culinários constituídos por badulaques (são 36, sendo 10 facas!) de vários usos. Os três têm as indulgências plenas garantidas, já que doaram o cachê do anuncio para instituição de caridade.
Mas olhe para dentro da sua gaveta de cozinha. Quantos badulaques desses você tem? Você acha que sem eles é impossível cozinhar direito?
Tenho na minha gaveta uma faquinha curva, dentilhada em toda a volta, que serve para soltar os gomos do pomelo. Só serve para isso, como deve ser, por definição, um bom gadget: uma ferramenta, uma só função! Tenho há 20 anos e usei apenas duas vezes. E tenho um catálogo, que comprei em uma loja em Nova Iorque, chamado The well-tooled kitchen... Ao folheá-lo têm-se a impressão de que está tudo lá. Tudo o que faria de mim um imbatível cozinheiro.
Fico imaginando, não os chefes, mas os comuns dos mortais, capazes de comprar aquela revista só para “ganhar” o badulaque anexo. Com eles em suas gavetas, talvez acreditem piamente, serão cozinheiros melhores.
Então, como foi possível erigir uma civilização culinária de enorme complexidade e riqueza com base em apenas três instrumentos: a panela wok, o hashi ou fachi, e uma faca?
Entre nós, quantos modelos de faca existem? Por que não somos capazes de pensar os cortes da carne sem associar cada um a uma faca específica?
Na Espanha dos reis católicos os mouros já vendiam nas feiras uma série de gadgets chamados jeringonza - palavra que designava tanto as coisas que vendiam como a fala dificil de compreender. Como nos tornamos a cultura culinária das geringonças?

2 comentários:

Antonio Carlos disse...

Dória, parabéns pelo blog, interessantíssimo.
Fui seu colega de pós em 2005 (uma dissertação sobre Ralf Dahrendorf), e agora estou às voltas com uma tese de doutoramento sobre o Raymond Aron.
Espero te ver qualquer hora dessas pela Unicamp!
Abc

Patricia disse...

Amo gadgets de cozinha. Nao porque me farao uma cozinheira melhor. Tálvez porque sao lindos, talvez porque sao uteis, talvez porque sou mulher!!
Minhas gavetas, armarios, caixas, prateleiras estao cheios deles. E a cada día folheo um catálogo novo... Será um vicio??

Postar um comentário