13/09/2009

A psicanálise do açúcar

O açúcar cristal, ou açúcar de usina,
mostra a mais instável das brancuras:
quem do Recife sabe direito o quanto,
e o pouco desse quanto, que ela dura.
Sabe o mínimo do pouco que o cristal
se estabiliza cristal sobre o açúcar,
por cima do fundo antigo, de mascavo,
do mascavo barrento que se incuba;
e sabe que tudo pode romper o mínimo
em que o cristal é capaz de censura:
pois o tal fundo mascavo logo aflora
quer inverno ou verão mele o açúcar.

Se os bangüês que-ainda purgam ainda
o açúcar bruto com barro, de mistura;
a usina já não o purga: da infância,
não só depois de adulto, ela o educa;
em enfermarias, com vácuos e turbinas,
em mãos de metal de gente indústria,
a usina o leva a sublimar em cristal
o pardo do xarope: não o purga, cura.
Mas como a cana se cria ainda hoje,
em mãos de barro de gente agricultura,
o barrento da pré-infância logo aflora
quer inverno ou verão mele o açúcar.

João Cabral de Melo Neto,Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 356.

2 comentários:

Ana Paula Bousquet disse...

Delícia encontrar os versos de João Cabral por aqui! Outro poema dele incrível e retrata bem o duro ofício da criação poética é "Catar Feijão", encontrado na citada Obra completa.
Esta edição da Nova Aguilar em papel bíblia é um presente aos leitores fãs da boa leitura.
Parabéns mais uma vez, Dória, pela enorme gama de opções que você oferece aos leitores.

Ana Paula Bousquet

cris disse...

LINDOO!!!

Postar um comentário