20/10/2009

Escorreu mel no Entre Estantes & Panelas

Bem interessante a seção de ontem do Entre Estantes & Panelas. O professor Paulo Nogueira Neto é, de fato, o “doutor abelha”. Fez a clara distinção entre as espécies de abelhas nativas (Trigona jaty, Tetragonisca angustula, Melipona nigra, Oxytrigona tataíra, Scaptrotrigona postica, Lestrimelitta limao, etc), mostrando que esta é uma classificação que esconde variedade e riqueza enormes. Variam também, é claro, a qualidade e o sabor dos méis.

Tanto ele como Roberto Smeraldi relataram experiências atuais de exploração comercial destes méis especiais. Roberto chegou mesmo a contar as suas experiências gastronômicas, sugerindo que a acidez desses méis permite cozinhar pescados, como se faz com limão na preparação de ceviche.

O fato é que, apesar da cegueira costumeira do SIF - que não considera o mel das abelhas nativas como “mel”, dada seu teor de água superior ao mel da abelha Apis - há uma congregação de esforços entre criadores e, sem dúvida, esses méis farão uma aparição mais forte no mercado num futuro próximo. Paulo Nogueira contou que, no último encontro anual de criadores de abelhas, em Natal, cerca de 1.000 dos 3.000 apicultores presentes se dedicavam a abelhas nativas.

Para as pessoas de espírito prático e curiosidade culinária, o Professor Paulo Nogueira deixou um endereço onde se pode encomendar mel dessas abelhas:

Fernando Oliveira
fernando@institutoiraquara.org.br
Fone: (92) 9136-8010

2 comentários:

Janaina disse...

Dória, convém ressaltar, porém, que o Instituto Iraquara, aí indicado, é aquele que desidrata o mel para poder ter o SIF. Nada contra. Pelo contrário. Foi o jeito que encontraram para o mel existir, legalmente, por assim dizer. O ideal talvez fosse compará-lo ao mel sem desidratação, para notar todas aquelas fases e nuances que o mel tem naturalmente, como bem observou o Smeraldi.
Beijo,
Janaina

Claudia disse...

Que maravilha que deve ter sido o debate do mel, sou tarada por mel e fiquei chapada ao aprender aqui que a SIF não considera o mel nativo mel por fazer a comparação com o outro, que loucura. É por isso então que o mel do Piauí não chega no Rio?

C.

Postar um comentário