02/07/2010

Alimentação em perspectiva histórica e sociológica

Semestre que vem, a professora Leila Mezan Algranti e eu ofereceremos, juntos, uma disciplina válida para os cursos de História e Sociologia na pós-graduação do IFCH-Unicamp. A disciplina tem o título de: “Cultura, história e sociologia na análise da alimentação”. O programa segue abaixo, bem como uma bibliografia referencial.

Alunos especiais serão admitidos, na forma do regimento da Unicamp.




SIGLA: SO-119 TÓPICOS ESPECIAIS EM TEORIA E PENSAMENTO SOCIAL

CULTURA, HISTÓRIA E SOCIOLOGIA NA ANÁLISE DA ALIMENTAÇÃO



Pós graduação em Sociologia e História
Professores: Leila Algranti e Carlos Alberto Dória
Horário: segundo semestre de 2010, quartas-feiras, das 9:00 às 13:00 horas
Créditos: 60


Ementa

Um tema cultural de grande destaque na modernidade é a importância da alimentação na vida cotidiana. Para além do glamour que os meios de comunicação de massa lhe emprestam, estamos mesmo diante de um assunto que exige esforço intelectual para o seu desvendamento, dadas as novas dimensões que adquiriu.

A produção e consumo de alimentos articula várias esferas da cultura, num processo de globalização que, no Ocidente, começa no século XVI. Assim, o propósito de um curso que alie o conhecimento em história e em sociologia para a análise da alimentação prende-se ao fato de que esta esfera da atividade humana tem mudado de status no mundo atual, sendo útil promover a investigação multidisciplinar da sua dinâmica como tema de cultura.

No terreno da história, a alimentação participa do que Fernand Braudel denominou, em 1967, de “as estruturas do cotidiano”, o que lhe valeu nova atenção e estudos por parte dos historiadores. Contudo, só nos anos 1990 é que poderíamos dizer que a alimentação deixou de ser um tema complementar e adjacente na História para se tornar um campo de estudos específicos.

Na sociologia, por outro lado, as primeiras teses acadêmicas sobre o tema surgem a partir de 1980, sob orientação de Edgar Morin, retomando uma reflexão que havia se interrompido nos tempos de Durkheim, na própria origem da disciplina.

Tópicos

A alimentação como cultura e a alimentação como tema multidisciplinar. Abordagens.

O intercâmbio alimentar e as mudanças nas formas de consumo no Velho e no Novo Mundo na época moderna.

O serviço de mesa e a simbologia do poder: a alimentação como chave para o estudo da vida política e social.

Alinhamento de conceitos: sistema alimentar e sistema culinário; matéria-prima, ingrediente e produto; culinária e gastronomia; kitchen, culinary; sabor e gosto; fórmula e receita; etc.

A delimitação do espaço culinário: a segregação da cozinha e seus equipamentos –a casa e a indústria alimentar.

Processo de transformação: a receita moderna – do conhecimento tácito ao conhecimento explícito. Formas de transmissão de saber e sua análise histórico-sociológica.

A incorporação: o pensamento mágico e o pensamento nutricionista. Tabu, contágio, contaminação, anorexia e bulimia.

A alimentação no Brasil. O mito da “culinária brasileira”; as contribuições de Gilberto Freyre, Josué de Castro e Câmara Cascudo.

A historiografia da alimentação no Brasil e os novos estudos

As identidades alimentares: estudos de caso


BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALGRANTI, Leila Mezan. “Os livros de receitas e a transmissão da arte luso-brasileira de fazer doces (séculos XVII-XIX)” IN Actas do III Seminário Internacional sobre a História do Açúcar – O açúcar e o cotidiano, Funchal, Secretaria Regional do turismo - Cultura Centro de Estudos de História do Atlântico, 2004, pp. 127-143.
AYMARD, Maurice. “Pour l’histoire de l’alimentation: quelques remarques de méthode” IN Annales Économies Sciétés Civilisations , março-junho, 1975,ano 30,2-3.
BELASCO, Warren, O que iremos comer amanhã?, Senac, São Paulo, 2009.
BRAUDEL, Fernand. “Retour aux Enquêt” Annales Économies Societés Civilisations 1961, ,n°.1-3 , pp.421-424.
BRUEGEL, Martin e Laurioux, Bruno . Histoire et Identités alimentaires em Europe (org.), Paris, Hachette, 2002.
CAMARA CASCUDO, Luis, Dicionário do folclore brasileiro, 2 volumes, Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1972.
__________________________, História da alimentação no Brasil, Belo Horizonte, Itatiaia, 1983.
CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade. São Paulo: Campus, 2003.
CAMPORESI, Piero. Hedonismo e Exotismo – a arte de viver na época das Luzes, trad. Unesp, São Paulo, 1996.
COUNIHAN, Caroline e VAN ESTERIK, Penny (Ed) Food and Culture – a reader. Nova Iorque, Routledge, 1997.
DÓRIA, Carlos Alberto, A culinária materialista, São Paulo, Editora Senac, 2009.
_____________________, A formação da culinária brasileira, São Paulo, Publifolha, 2009.
FISCHLER, Claude, “Pensée magique et utopie dans la science: de l´incorporation à la ‘diète mediterranéenne’ », in Pensée magique et alimentation aujourd´hui , Paris, Les Cahiers de l´OCHA, n. 5, 1996.
FREEDMAN, Paul (org.), A história do sabor, São Paulo, Senac, 2009.
HACHE-BISSETE, Françoise e SAILLARD, Denis (orgs.), Gastronomie et identité culturelle française. Discours et représentations (XIXe-XXIe siècles), Paris, Nouveau Monde, 2009.
GARRIDO , Antonio Aranda. “La revolución Alimentaria del siglo XVI IN América y Europa, IN Antopologia y Cocina – gastronomia de ida y vuelta, Jaén, Dipuation de Jaén, 2005.
GIRARD, Luce “Cozinhar” IN Michel de Certeau, Luce Girard, Pierre Mayol. A Invenção do cotidiano – morar, cozinhar, vol 2, trad., 6ª. ed., Petrópolis, Vozes, 2005.
GOODY, Jack. Cooking, cuisine y class estúdio de sociologia comparada, trad., Gedisa editorial, Barcelona, 1995.
KARPIK, Lucien, L´économie des singularités, Paris, Gallimard, 2007.
KOPYTOF, Igor, “The cultural biography of things: commoditization as process”, in APPADURAI, A. (org), The social life of things: commodities in cultural perspective, N. York, New School University, 1988.
LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. Mitológicas 1. São Paulo: Cosac & Naify, 2004 (1ª ed. 1964)
_____________________, “As lições de sabedoria das vacas loucas”, Novos Estudos CEBRAP, n. 70, 2004.
MONTANARI, M., La comida como cultura, Astúrias, Ediciones Trea, 2004.
-----------------------. A Fome e a abundância- história da alimentação na Europa, EDUSC, Bauru, 2003.
POULAIN, Jean-Pierre, Sociologias da alimentação, Florianópolis, Editora da UFSC, 2004.
SANTOS, Carlos Roberto Antunes dos “ A Alimentação e seu lugar na História: os tempos da memória gustativa” IN História Questões e Debates, dossiê História da Alimentação, Curitiba, Editora da UFPR, n° 42, jan/jun 2005
STANZIANI, Alessandro, Histoire de la qualité alimentaire (XIXe – XXe siècle), Paris, Seuil, 2005.
TOUSSAINT-SAMAT, Maguelonne, Histoire naturelle & morale de la nourriture, Paris, Bordas, 1990.
VIGNE, Jean-Denis, Les débuts de l´élevage, Le pommier, Paris, 2004

8 comentários:

cris disse...

e alunos "ouvintes" sao aceitos?

Janine Collaço disse...

Estudos sobre alimentação merecem semelhante seriedade. Parabéns, o programa está muito instigante.
abraços
Janine Collaço

Claudia disse...

Interessante, mas você "bota a mesa" para os franceses literalmente.

Boas,

Cláudia

Carlos Dória disse...

Sim, Claudia, este o problema intelectual que escolhemos. Não a China, nem a Índia - só para ficar nas grandes civilizações culinárias. E basta, não?

meilman disse...

grande programa! sabe de algo semelhante no Rio? e mais: sugere alguma referencia para o estudo da dietetica medieval?

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online.Emily Nascimento

Taís disse...

Dava um mindinho pra assistir uma aula. Trabalho com Sociologia da Alimentação na UnB, especificamente com restaurantes étnicos e manipulação de memórias e identificações.

Só uma pergunta: já leu o "Eating out", de Warde e Martens?

Fabiana Leonelli disse...

Em qual dia da semana a disciplina será oferecida? Obrigada!

Postar um comentário