26/05/2011

Leitor de 5ª - Adeus El Bulli

Paladar esta dedicado ao fim de El Bulli, na segunda-feira próxima. Comida à comida de candomblé. Séculos de separação. Paladar é para se guardar, quem sabe para ler daqui uma década e ver que rumo tomou a criatividade - tema escolhido para apreender o trabalho de Adrià. Mesmo eu meti ali minha colher. O Comida se refere ao fato através da cronica da Alexandra Forbes que nos diz, à sua maneira, que quem não comeu no sleeping bag nem sequer sonhou.

Tanta modernidade sufocou a repercussão que sempre tem as reuniões do Slow Food, como a da Arca do Gosto, no Mocotó. Janaina Fidalgo registra algumas referencias (como a “arquisação” do jatoba - que quem gosta, gosta, e quem não gosta que se dane...), mas espero que o Paladar volte aos temas ali levantados. E que Comida siga o mesmo rumo.

Já a matéria de Luiza Fecarotta no Comida, sobre o banquete de santo, revela uma característica que sempre me intriga quando o tema é a cozinha dos negros da Bahia: muito sociólogo e antropólogo falando, tudo gravitando em torno dos rituais, dos santos e suas hierarquias, pouca discussão propriamente culinária. Se você ouvir Beto Pimentel falar vai ter uma aula de religião, não de culinária. A matéria reflete esse ambiente em que se meteu a cozinha de santo para consumo extra-Salvador. Faz falta o cozinheiro falar sobre a comida. Faz falta ver a quantas andam as “reinterpretações” dessa rica corrente culinária do Brasil.

Nina Horta, não sei porque neste exato momento, faz uma justa rememoração e homenagem a Laurent Suaudeau. Ele se transformou no “professor”, no ambiente inóspito que encontrou para semear a gastronomia, desde que o “Senhor Bocuse” o “mandou” para cá, em missão civilizatória. De fato, ele tem sido importante até hoje na divulgação técnica da cozinha francesa, formando gerações mais novas dentro do cânone. Só não gosto de suas opiniões políticas: ele é monarquista.

Bom texto de Lourdes Hernandes no Comida. Bom depoimento de Heloisa Bacelar sobre a marmita (talvez o jornal devesse analisar também, pela oportunidade, a “marmita chic” do restaurante Brasil a Gosto e a estetização do objeto no calendário 2011 do Studio SC).

Matéria sobre o que vestem as bonitinhas da cozinha. Bah! Mas Comida indica, ainda, a tendência dos restaurantes, consagrados como “marcas”, se posicionarem no mercado dos shopping centers. Aliás, semana passada fui à pré-inauguração do Ritz-Iguatemi. Comidinha maneira, simpática e gostosa; mas, acima de tudo, um serviço jovem, atento, rápido, “solucionático” em vez de problemático.

Paladar noticia que Flávio Miyamura saiu do Eñe e que vai abrir um restaurante. Corram - Paladar e Comida - para ver quem dará o “furo” sobre os seus planos culinários. Ele é um dos cozinheiros tecnicamente mais bem preparados da cidade.

1 comentários:

Gabriel Leicand disse...

Cada vez mais figurinhas carimbadas escrevendo nos dois, no Paladar e no Comida. Isabella Raposeiras, Mara Salles, Katsuki. Acho que estão mais preocupados em colocar nomes de peso que o público confie do que fazer grandes matérias. Isso mais no caso da Folha.
Laurent, além de monarquista não é um bom chef/restauranteur, embora insita ser e opinar no negócio dos outros. Quando teve seus negócios não foi tão bem. Uma pena.
Para mim, coisa boa e bacana foi a arca do gosto, que não entendi se vai ser uma coluna fixa, mas deveria!

Postar um comentário