11/12/2011

Chinoiseries contemporâneas

O caso ocorreu mais ou menos assim: em meados de 2008, os chineses manifestaram intenção de importar jamón serrano espanhol e, para tanto, solicitaram uma vistoria nas instalações das empresas interessadas em exportar. Distribuíram um questionário a 206 empresas, obtiveram respostas de 160, selecionaram 85 que se adaptavam aos critérios sanitários chineses, e o Departamento de Certificação e Acreditação do governo chinês credenciou apenas oito.

Durante esse período, técnicos chineses realizaram cerca de 13 visitas de inspeção às fábricas, observando todos os aspectos de elaboração do presunto, incluindo a certificação veterinária sobre a qualidade dos animais. Os chineses, aparentemente, foram bastante rigorosos. Mais do que são com as suas próprias industrias.

No ano passado, contudo, os espanhóis foram surpreendidos com a notícia de que os chineses estavam começando a produção de jamón serrano! Vistoriaram as empresas espanholas, compraram equipamentos na Itália (para não dar bandeira na Espanha) e começaram a produzir. Hoje já produzem umas 200 mil peças de presunto cru para abastecer o mercado interno e prometem, para breve, fornecer para o mundo, inclusive a Europa. O objetivo dos chineses é, em primeiro lugar, o mercado norte-americano.

Um video, que pode ser visto no YouTube, mostra, em cores dramáticas, essa jogada chinesa no universo gourmet.

Os chineses dizem que o presunto tem a mesma qualidade do espanhol e, como sempre, custará 10 vezes menos. Além disso, estão aptos para o consumo em apenas 7 meses, enquanto os espanhóis, dependendo da qualidade, demoram do dobro a três vezes esse tempo.

Os chineses, ultimamente, tem atacado firme no nicho de produtos gourmets. Nesse outono, em Alba, falava-se à boca pequena que eles havia se aproveitado da má safra européia para introduzirem no mercado seus “tartufos biancos” (Tuber sinensis) vendidos na própria feira de Alba como se italiano fossem (Tuber magnatum), enganando muito bem, pois vendidos a €8.000 os grandes exemplares! E andando pela região da Paula Souza, você pode encontrar pinolli chinês também.

Mais do que amaldiçoar os chineses - afinal, estão explorando a força dos valores universais e intangíveis da gastronomia que a cultura ocidental criou ao longo dos séculos - é o caso de pensarmos na fragilidade das categorias com as quais lidamos, hipervalorizando o que, afinal, não se apresenta tão “exclusivo” como se acreditou durante séculos. Se é possivel “passar por” (para alguns, “enganar”) é porque há semelhanças fortes - ao menos nos aspectos imaginados.

7 comentários:

Anônimo disse...

vamos a conhecer um mundo completamente diferente de aqui a pouco, logo mais, aqui na esquina, life as we know it, will never, ever be the same.

Ricardo Neves Gonzalez disse...

Dória, a globalizacão veio para ficar e se dá bem com ela quem é esperto. e os chineses são experts em serem espertos. Acredito que se o produto é feito industrialmente não há como fugir desta espionagem que procura imitar o original. Neste caso, pode-se chegar perto do produto mas nunca igualá-lo. Já o artesanal Dória, este é inimitável, pois que eleva-se ao Status da ARTE. Nunca os chineses conseguirão reproduzir o verdadeiro Jamón Serrano por ter sido ele artesanalmente elaborado. Os outros, mesmo na Espanha já perderam a característica do artesanal e foram industrializados.

Carlos Dória disse...

Ricardo, qual seria a fronteira entre uma coisa e outra? Como distinguir, no prato, qual é artesanal e qual industrial numa degustação às cegas? Coisa complexa esses valores nos quais apoiamos nosso critério de excelência...
abraços

Anônimo disse...

Carlos, na Mostra de Cinema vi um filme chamado Mozzarela Stories que se aplica bem aos casos contados aqui: um produtor artesanal de mussarela de búfala se vê prestes a falir devido à concorrência chinesa. O filme dá a entender que a diferença entre os 2 é mínima. Vale a pena assistir!

É um assunto que dá muito pano pra manga e que não é mais possível ignorar,
Abraços!

Cláudio Gonzalez disse...

Os chineses tem tantas coisas bacanas autenticamente chinesas para oferecer ao mundo no campo da gastronomia, porque será que eles tanto insistem em ficar reproduzindo produtos estrangeiros? Gosto da China como contraponto à hegemonia norte-americana, mas como disse o camarada Ricardo (que por coincidência é Gonzalez também) os chineses são experts em serem espertos. Os comunistas da China estão levando mais a sério a máxima de que o capitalismo selvagem do que os próprios liberais do Ocidente.

Carlos Dória disse...

Os porcos, pelo que sei, foram primeiramente domesticados na China. Seriam os porcos chineses?

Anônimo disse...

infelizmente (ou felizmente) os pinolli chineses podem causar um tipo de alergia que produz um amargor quase insuportável na boca, e que dura uns bons quatro ou cinco dias para passar. Isso de fato aconteceu comigo duas vezes e depois de ir ao médico e eles nao encontrarem explicacao para o fato, pesquisei e descobri que várias pessoas haviam comido pinolli. E realmente eu tinha comido esses pinolli chineses. Eles sao pontudos e bem menores que os italianos. Agora presto atencao antes de comê-los. Em restaurantes...jamais!

Postar um comentário